Estágio

A resposta retumbante é: NÃO seremos capazes de evitar a resistência aos antibióticos. Deve-se ter isso em mente, porque o assunto é global e muito sério. É uma das maiores ameaças à saúde, à segurança alimentar e ao desenvolvimento, com um enorme impacto. É cada vez mais difícil garantir o sucesso terapêutico dos antibióticos em infecções hospitalares e comunitárias comuns. Ela escurece o prognóstico, aumenta a mortalidade e desencadeia custos de saúde.

Acaba de ser celebrado o Dia Europeu (18 de novembro) do “Uso Prudente dos Antibióticos”. De 18 a 24 de novembro, foi celebrada a “Semana Mundial de Conscientização sobre Antibióticos”, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) . Com essas comemorações anuais, nos braços da OMS, pudemos perceber o falso otimismo de estar no caminho certo para evitar resistências.

Não conseguiremos evitar a resistência. argumentativo

A resistência é inerente a todo material, seja ele inerte ou vivo. Nas áreas técnicas (mineralogia, engenharia, arquitetura, etc.) a resistência dos materiais constitui um importante campo de conhecimento. Em seguida, concordaremos sobre a importância da inevitável resistência dos microrganismos, os seres vivos mais antigos, dotados de uma plasticidade extraordinária. Todos eles, incluindo patógenos humanos, são capazes de lançar inúmeros mecanismos de adaptação a qualquer tipo de fator hostil, incluindo antimicrobianos.

CONCLUSÃO: Se não podemos erradicar os microrganismos, incluindo os patógenos, a resistência também não.

Fleming descobriu a penicilina das colônias do fungo Penicilium , que impedia o crescimento de diferentes bactérias patogênicas em seu ambiente. Assim começou a era dos antibióticos (anti-vida), que salvaram tantas vidas apesar do oxímoro. Deu origem à descoberta de numerosos fungos e bactérias que produzem antibióticos ativos contra patógenos. Essa habilidade, codificada pelo material genético, é transmitida aos descendentes da mesma espécie e, ocasionalmente, aos de outras espécies.

CONCLUSÃO: Os microrganismos citados são, no mínimo, resistentes aos antibióticos que produzem; resistência potencialmente transmissível a outros.

As populações microbianas, que compõem o complexo ecossistema humano, cobrem os diferentes nichos da pele e das mucosas. Centenas de espécies coexistem em equilíbrio dinâmico, dependendo do hospedeiro e da própria microbiota. Nesse equilíbrio, a produção de antimicrobianos desempenha um papel importante. R. Limón ( Nature Biomedical Engineering ) descobriu a existência de 2.603 moléculas codificadas geneticamente com propriedades antimicrobianas no corpo humano. Também sabemos que algumas bactérias do ecossistema, como os enterococos, armazenam e “distribuem” genes de resistência. Em outro sentido, os patógenos exógenos, à sua carga genética de resistência, podem somar aquela adquirida durante a colonização-invasão ao competir com a microbiota.

Assim podemos explicar que em doses terapêuticas, as baixas concentrações de antibióticos alcançadas em nichos ecológicos não alteram o sistema geral. Mas altas concentrações podem selecionar populações resistentes com consequências trágicas – superinfecções ou disbacteriose – para o equilíbrio do ecossistema.

CONCLUSÃO: Patógenos, endógenos e exógenos, teoricamente reconhecem e podem resistir a qualquer substância antimicrobiana, inclusive as não comercializadas.

A corrida desenfreada em busca de novas moléculas naturais ou sintéticas buscava obter princípios mais poderosos e de espectro mais amplo. Mas em muitos casos eles se escondiam para superar a atividade perdida de algumas moléculas, ou seja, a resistência. A engenharia química tornou possível identificar os radicais antimicrobianos mais ativos. Incorporados aos inúmeros compostos projetados, eles fornecem um arsenal terapêutico incomum com evidentes melhorias farmacológicas. Só no grupo das quinolonas, por exemplo, temos dezenas de milhares de moléculas patenteadas. Mas os microorganismos “examinam” rapidamente os radicais ativos, que são seus verdadeiros inimigos.

CONCLUSÃO: A diversidade de preparações farmacológicas, com radicais e mecanismos de ação iguais ou semelhantes, não prevenirá o problema. E pode explicar as resistências cruzadas.

A resistência seletiva à pressão durante o tratamento com antibióticos é bem conhecida. A representação gráfica farmacológica é bastante ilustrativa. Destacam-se: área sob a curva (ponto zero, concentração máxima, ponto final) e as concentrações de seleção e inibição de resistência para cada antibiótico e patógeno. O espaço representado entre as concentrações mencionadas, dentro da área sob a curva, é chamado de “janela de seleção de resistência” .

Após a administração de um determinado antibiótico, o efeito de janela dependerá da concentração alcançada em cada compartimento (sangue, tecido, etc.). Há uma exceção: com dosagens muito baixas ou compartimentos inacessíveis, a concentração máxima do antibiótico é menor do que para a seleção de resistência. Então a pressão seletiva não existe, mas também não existe a ação terapêutica.

CONCLUSÃO: Todo tratamento antimicrobiano selecionará patógenos resistentes com maior ou menor persistência. Onde são usados cada vez mais antimicrobianos ativos, como é o caso dos hospitais, a resistência aumentará. Diretrizes ou outros fatores que amplifiquem a janela de resistência serão decisivos.

As estratégias aplicadas não funcionaram

Desde Ehrlich, com Salvarsan e o nascimento da quimioterapia há mais de um século, cada descoberta tem sido uma espécie de panacéia. Foi o caso da penicilina de Fleming, da sulfonamida de Domagk ou da estreptomicina de Waksman. O mesmo aconteceria no campo dos antifúngicos, antiparasitários e antivirais. Sucessos foram seguidos por decepções. Antimicrobianos que fossem menos tóxicos, mais potentes, de espectro certo e, sobretudo, mais estáveis contra patógenos resistentes eram necessários. Começou uma corrida louca de centenas de moléculas e milhares de apresentações, o que não resolveu o problema da resistência. Pelo contrário, parece o contrário.

A estratégia de associação de antimicrobianos falhou e as apresentações comerciais foram proibidas, com algumas exceções. Trimetoprim-sulfametoxazol, amoxicilina-clavulanato, associação de tuberculostáticos, antimaláricos ou HAART na AIDS, são algumas das exceções úteis na resistência.

Outras medidas merecem destaque desde a década de 1980, como as inúmeras campanhas na Atenção Básica (sobre automedicação, não adesão e armazenamento). A Política Hospitalar (restrição, rodízio, diversificação), o PROA (Programa de Otimização de Antimicrobianos) ou o atual PRAN (Plano Nacional de Resistência aos Antibióticos) são outras iniciativas. envolvimento. Legislação que proíbe a dispensação de antibióticos sem receita médica e antibióticos que promovam a engorda animal, etc. são exemplos de estratégias coercitivas. Após os esforços realizados, a OMS admite que a resistência aos antibióticos constitui um dos problemas de saúde mais preocupantes do mundo.

CONCLUSÃO: Devemos reconhecer que, apesar de todas as iniciativas, os microrganismos estão vencendo essa batalha. Vamos confiar que Pasteur estava errado quando sentenciou: “Senhores, as bactérias terão a última palavra” .

Algo terá que ser feito!

Há muito poucos dados sobre a eficácia de cada uma das estratégias aplicadas, mas os resultados gerais são decepcionantes; pan-resistências continuam a crescer. Algumas vantagens foram documentadas após um controle rigoroso em: restrição de consumo, tratamentos etiológicos comprovados e orientações adequadas. Os benefícios observados referem-se ao prolongamento da vida útil do antibiótico controlado, redução de efeitos colaterais e custos econômicos. Mas, para que sejam úteis, os resultados, raramente verificados, devem sempre ser avaliados.

CONCLUSÃO: Reconhecendo que as estratégias aplicadas são apenas paliativas do problema, devemos segui-las até que outras soluções melhores estejam disponíveis.

As infecções constituem uma área multidisciplinar complexa, com avanços muito notáveis na patogênese, diagnóstico, tratamento e prevenção. Os fatores condicionantes de início, desenvolvimento e prognóstico são cada vez mais conhecidos, principalmente no ambiente hospitalar. O controle eficaz desses fatores reduzirá as infecções e, portanto, a pressão antibiótica. CONCLUSÃO: A melhor prevenção da resistência deve estar ligada à prevenção de infecções. A educação cidadã e a formação profissional contínua são fundamentais.

A infecção deve ser entendida como a interação patógeno-paciente devido à falha defensiva do paciente. A tendência tem sido ir com calma: eliminar o patógeno para o qual o antibiótico era a arma ideal. No entanto, na infecção ocorrem fenômenos inflamatórios, lesões devido a reações imunes, etc. CONCLUSÃO: Os tratamentos que proporcionam uma clara superioridade defensiva do paciente e os que modulam os fenômenos nocivos substituirão os antibióticos. Já existem exemplos práticos.

Outras estratégias incluem a terapia fágica (com bacteriófagos), reposição da microbiota, vacinas anti-resistência específicas, métodos genéticos para produzir “superantibióticos”, etc. CONCLUSÃO FINAL: A investigação truncará a sentença de Louis Pasteur.

Médico e investigador español en Esfera Salud | Ver sus artículos

Médico, microbiólogo e investigador. Fue profesor de varias universidades españolas donde dirigió Tesis Doctorales y proyectos de investigación sobre: diagnóstico, nuevos antimicrobianos, simulaciones en modelos de cultivo continuo y arquitectura de poblaciones bacterianas. Su labor, plasmada en numerosas publicaciones en revistas científicas, libros y artículos de divulgación, ha sido reconocida con diversos nombramientos y premios. En Esfera Salud, sus artículos de divulgación sobre historia y actualidad de la Medicina, están dirigidos al público interesado en temas de Salud.

LEAVE A REPLY