A informação de massa, as redes, os direitos dos cidadãos e o impacto social da pandemia criaram um espaço de debate nunca antes visto. Todas as facetas, mesmo as mais técnicas, como a vacinação anti-COVID, são discutidas e discutíveis na sociedade atual.

Percepção social das vacinas

Na Medicina estamos acostumados a rotular de “milagroso” tudo o que é benéfico que não entendemos. Assim foi considerada a vacina contra a varíola de Jenner ou a vacina anti-rábica de Pasteur, feita com total ignorância do papel dos vírus. O desenvolvimento de vacinas contra a poliomielite com vírus atenuados (Sabin, oral) ou mortos (Salk, intramuscular) foi espetacular e competitivo. A estratégia de colaboração global para desenvolver a vacina contra a gripe com as variantes dominantes a cada ano continua a causar admiração.

Centenas de vacinas foram preparadas contra praticamente todos os patógenos conhecidos, especialmente bactérias e vírus. A história está cheia de sucessos e anedotas. Mas apenas alguns, 15-20 e suas variantes, produzidos por muitas empresas farmacêuticas, estão incluídos nas listas oficiais e calendários de vacinação. É geralmente aceito que as vacinas estão entre as melhores contribuições científicas para a humanidade.

Expectativas da vacina anti-COVID

As experiências relacionadas às vacinas contra influenza, SARS e MERS (coronavírus) não podem ser esquecidas. Técnicas de biotecnologia molecular (PCR, CRISPR, gerenciamento de RNA, adenovírus como vetores…) já estão em uso diário. Esta situação e o sentido de oportunidade, juntamente com as expectativas de negócios, explicam a impressionante proliferação de centenas de projetos, com o resultado de 4 vacinas sendo comercializadas na Espanha e tantas outras em outros países, neste momento.

As vacinas e a vacinação anti-COVID têm sido providenciais, quebrando todos os esquemas previsíveis quanto ao imediatismo, eficácia, logística, etc.; mas apenas em parte. De fato, a consideração “milagrosa” contrasta com as inúmeras queixas, denúncias e recriminações de todos contra todos: políticos, economistas, cientistas, cidadãos,…

Eles são inofensivos?

Boa parte do debate está nessa questão. Os banheiros e as firmas manufatureiras insistem em dois argumentos. A) os efeitos colaterais, quando documentados, são em sua maioria leves. Eventos graves e mortalidade são improváveis; geralmente é arredondado para 1 caso por milhão vacinado em determinados segmentos de idade e sexo para algumas vacinas.

De qualquer forma, são menores ou semelhantes a outras vacinas do calendário. Por exemplo, em tríplice viral e tetraviral (sarampo, rubéola, caxumba + varicela) são relatadas trombocitopenia (um caso por 30.000 vacinados) e encefalopatias (1 caso por milhão). E para qualquer medicamento comumente usado, os efeitos colaterais são muito mais frequentes. B) A eficácia é inquestionável. As vidas salvas e a redução de internações e contágios é muito maior em relação ao grupo de não vacinados.

O debate para então? Parece que não; as discussões continuam. Seria preciso analisar o protagonismo informativo, a educação sanitária, a política da Agência de Medicamentos e a sutil concorrência comercial, que na realidade já levou a uma guerra comercial aberta.

O debate sobre as “vacunojetas”

Numa questão vital com recursos limitados, é essencial estabelecer prioridades estritas (idade, vulnerabilidade, pessoal estratégico,…). Por medo, procuram entrar a qualquer preço num grupo de atenção preferencial, o que traduz o egoísmo da falta de solidariedade humana. Ocorre em todas as epidemias. Todos eles colocam suas influências em movimento explorando a busca de atalhos como o mercado negro, amigos, turismo de vacinação etc. Paradoxalmente, quando se sabe que alguém conseguiu isso, especialmente se for um político famoso, ele é ridicularizado publicamente. Alguns meios de comunicação publicam diariamente a “Lista de vacunojetas”. Pensa-se, com inveja e raiva, que usurpam uma possibilidade que não lhes pertence.

Pelo contrário, os já vacinados tornam-se mais indulgentes e esquecidos. Apoiam a vacinação de atletas olímpicos, jovens jogadores de futebol ou personalidades populares, mesmo que não pertençam a nenhum grupo prioritário. A infração comparativa com pessoas vulneráveis sem vacinação não é eticamente contemplada; alguns não poderão comemorar o triunfo de nossos atletas.

O caso Astra-Zeneca

A vacina anglo-sueca, aparentemente a mais barata, teve inicialmente todas as bênçãos europeias. Mas logo as coisas começaram a dar errado: quebra de contratos, proibição de exportação da produção europeia, trombose em mulheres jovens,… seguido por toda a mídia como uma “novela em série”.

De repente, depois de ajustar as diretrizes e a logística, o Ministério da Saúde ordenou a interrupção da vacinação com essa marca no meio da campanha sem explicação. Em seguida, foi relatado que os vacinados com uma primeira dose receberiam a segunda da empresa Pfizer. Essa mudança seria garantida com um teste em 600 casos! de duvidosa abordagem científica. A tudo isto, nem a Astra-Zeneca nem as Agências (europeias e espanholas) alteraram uma única vírgula do prospecto. O debate foi servido. E vai longe, porque neste momento não se sabe se as causas foram políticas, econômicas ou comerciais. Teremos que colocar o pior.

A resposta esperada, gerada pela desconfiança lógica da Astra-Zeneca, foi uma rejeição geral desta marca. A surpresa saltou quando, diante dessa confusão, o Ministério foi obrigado a dar uma escolha aos cidadãos. E cara, eles escolheram! 90% optaram por seguir a bula e as recomendações médicas, ou seja, conformidade, versus a não conformidade proposta oficialmente. Veremos como as campanhas de educação em saúde sobre Conformidade Terapêutica e os movimentos antivacinas serão redirecionados no futuro.

As vacinas oferecem garantias suficientes?

A estratégia de prevenção através da vacinação é mais do que sancionada pela vasta experiência. As diferentes táticas de composição, pautas, coexistência de marcas, etc. eles também produzem resultados satisfatórios em geral. Isso se reflete na segurança das vacinas anti-COVID, apesar de seu desenvolvimento espetacular e acelerado.

Um aspecto surpreendente, que não é milagroso, tem sido a pressão cidadã com o componente emocional do medo. Os rígidos procedimentos das Agências de Medicamentos para sua aprovação foram acelerados. O financiamento sem precedentes também ajudou, permitindo que milhares de voluntários fossem recrutados para cada teste de vacina. A eficácia em centenas de milhões de vacinados e os efeitos colaterais, menores que os de outras vacinas, foram comprovados e bem documentados. A própria indústria farmacêutica, pelo que está em jogo, e as agências reguladoras oficiais parecem ser garantias suficientes.

Nos vacinados, ocorre uma mudança emocional de euforia: esquecem as críticas aos “vacunojetas”, comemoram a vacinação como se tivessem ganhado na loteria e relaxam todos os tipos de precauções. Eles a comunicam ao mundo inteiro, tornando-se apóstolos da vacinação.

No entanto, não faltam críticas de movimentos antivacinas e cidadãos insatisfeitos com as informações. Não é incomum a opacidade informacional e contraditória sobre contratos, custos, prioridades, efeitos colaterais etc. que explicam a raiva dos afetados.

Passaporte de vacinação

Argumentos têm sido usados para o debate como a proteção da privacidade, a liberdade de escolha ou a burocracia. Parecem fracos demais para rejeitar o atestado, salvo-conduto ou, como quiser chamar, o documento oficial que está sendo imposto aos vacinados. A negação de alguns não pode ser defendida à custa de prejudicar muitos.

Já vemos isso em viagens internacionais e não é uma ocorrência nova ou uma doença única. Alguns países (da África, Ásia e América do Sul), podem exigir o Certificado de Vacinação sujeito a regulamentações internacionais. Vacinas obrigatórias: febre amarela, meningite meningocócica e poliomielite. Recomendado: cólera, febre tifóide, hepatite e algumas encefalopatias virais. Além disso, gripe, raiva, etc. podem ser sugeridas, dependendo do caso. e COVID, como estamos vendo.

Fim das discussões?

Longe disso, a participação cidadã em questões sócio-sanitárias está mais viva do que nunca e muitas questões foram postas em questão.

A imunização global necessária é timidamente apontada para controlar a pandemia, mas o número de vacinas é limitado e o princípio da “caridade começa por si mesmo” é seguido. Nem mesmo os mais solidários desistem, eles ou suas famílias, em favor dos mais vulneráveis nos países pobres. Quando sobrarem as vacinas, é de se esperar que todos nós façamos o papel de bons samaritanos. Reivindicaremos soluções hipócritas, como exigir o fornecimento gratuito da Indústria ou a eliminação de patentes sem pensar nas dificuldades de sua produção.

Outro ponto a ser discutido será a vacinação de escolares e adolescentes. Sua afetação (colonização, contagiosidade e infecção) foi demonstrada, embora seja mais branda em geral. Além disso, tendo em vista o novo curso, é conveniente garantir a escolaridade normal. O problema está nas dificuldades das experimentações em crianças, por isso veremos as inevitáveis discrepâncias em sua aplicação.

Fora do mundo da saúde, o absurdo de aplicar um calendário de vacinação diferente em cada Comunidade Autônoma da Espanha dificilmente transcende. Nos últimos anos as diferenças foram suavizadas, mas com a vacinação anti- COVID tudo explodiu. Como limitar o direito do cidadão de escolher calendário, diretriz e marca? Será possível convencer as Autonomias discrepantes a unificar critérios e calendários?

É possível que as novas e inevitáveis variantes da condição do coronavírus mudem nas vacinas atuais e no aparecimento de outras, como aconteceu com a vacina contra a gripe. A propósito, se quase não houve gripe este ano, com quais cepas a vacina será preparada? Essas e muitas outras questões relacionadas às vacinas nos manterão entretidos no debate por muito tempo.

Médico e investigador español en Esfera Salud | Ver sus artículos

Médico, microbiólogo e investigador. Fue profesor de varias universidades españolas donde dirigió Tesis Doctorales y proyectos de investigación sobre: diagnóstico, nuevos antimicrobianos, simulaciones en modelos de cultivo continuo y arquitectura de poblaciones bacterianas. Su labor, plasmada en numerosas publicaciones en revistas científicas, libros y artículos de divulgación, ha sido reconocida con diversos nombramientos y premios. En Esfera Salud, sus artículos de divulgación sobre historia y actualidad de la Medicina, están dirigidos al público interesado en temas de Salud.

LEAVE A REPLY